ROGÉRIO SGANZERLA, A CENSURA E "O SIGNO DO CAOS"



*mais aqui “O Signo do Caos”

* (2001) Sganzerla brande novo filme contra a “censura” – “O Signo do Caos” ou “Patifes”

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u8660.shtml


“O SIGNO DO CAOS” – 2003 
https://www.youtube.com/watch?v=DHvQvlHUISw

 

Rogério Sganzerla[1] (Joaçaba, SC, 04 de maio de 1946São Paulo, 9 de janeiro de 2004) foi um cineasta brasileiro.
É mais lembrado pelo filme O Bandido da Luz Vermelha, de 1968. Mas dirigiu várias outras obras ousadas, como A Mulher de Todos (1969), Sem Essa Aranha (1970), Tudo É Brasil (1997) e O Signo do Caos (2003), entre outras.
O diretor não filmou pouco, mas teve uma carreira intermitente. A impossibilidade de filmar é uma marca em sua trajetória – talvez por isso sua admiração pelo projeto boicotado de Orson Welles no Brasil, sobre o qual realizou quatro obras.

Biografia
Desde cedo, Sganzerla manifestou sua vocação para o cinema. Casou-se com sua própria musa do cinema (a atriz Helena Ignez), viveu para o cinema e fez cinema até os últimos dias de sua vida.
De natureza intelectual, leitor e escritor precoce, formado desde a adolescência na leitura de diversas tradições artísticas e de vanguardas mundiais.
Antes de começar sua produção cinematográfica, escreveu para o jornal O Estado de S. Paulo, sempre sobre cinema. Em 1967 realizou seu primeiro curta-metragem intitulado Documentário. E em 1968 seu primeiro longa-metragem foi rodado, o consagrado O Bandido da Luz Vermelha.
A partir daí realizou uma notória carreira como diretor de cinema, sempre buscando a ruptura da lógica dramática.
Em 1970 fundou a produtora Bel-Air, junto com Júlio Bressane. Com direção de Rogério, a produtora foi responsável pelos filmes Copacabana Mon Amour e Sem essa aranha.
Sganzerla utilizava o subdesenvolvimento como elemento de linguagem.

Estou buscando aquilo que o povo brasileiro espera de nós desde a chanchada: fazer do cinema brasileiro o pior do mundo”
Em Jornal do Brasil, 1969

Morreu em 2004, devido a um tumor no cérebro, pouco tempo após realizar O signo do caos e sem realizar um sonho: refilmar seu clássico O bandido da luz vermelha, com Alexandre Borges no elenco.

Agora seria em cores, menos intelectualizado, mais pop, mais gibi, e com atores globais no elenco. O Alexandre Borges seria perfeito para fazer o bandido
Em: O Globo, 1998

Sganzerla deixou ainda como legado o roteiro para a continuação do filme O Bandido da Luz Vermelha, com o título Luz nas Trevas – A revolta de Luz vermelha. O filme veio ao público através da direção de Helena Ignez e Ícaro Martins. No elenco, Ney Matogrosso como o próprio Luz.

Linguagem

Influenciado diretamente pela cinematografia de Orson Welles e Jean-Luc Godard, com a brasilidade de José Mojica Marins, utiliza com frequência os clichês dos filmes noir e das pornochanchadas. Apresentou sempre um cinema de ruptura, inclusive com os próprios modelos. Sganzerla fez da ironia sua marca registrada, fez do “antifilme” sua referência constante e da câmera na mão sua maior aliada. O sarcasmo, a subversão da narrativa clássica, a mistura de linguagens, as lentes anárquicas e debochadas, a câmera imprevisível e a radicalidade estética são as principais características que fazem do cinema de Rogério Sganzerla inexplicável em poucas palavras.[2]

Filmografia

Como diretor

Ano Filme Tipo
1966 Documentário Curta
1968 O Bandido da Luz Vermelha Longa
1969 Historias em Quadrinhos (comics) Documentário
1969 Quadrinhos no Brasil Documentário
1969 A Mulher de Todos Longa
1970 Sem Essa, Aranha Longa
1970 Copacabana Mon Amour Longa
1970 Carnaval na Lama Longa
1971 Fora do Baralho Documentário
1976 Viagem e Descrição do Rio Guanabara Por Ocasião da França Antártica Documentário
1977 Abismu Longa
1977 Mudança de Hendrix Documentário
1981 Noel por Noel Curta documentário
1981 Brasil Curta
1981 A Cidade de Salvador (Petróleo Jorrou na Bahia) Documentário
1983 Irani Documentário
1986 Nem Tudo é Verdade Longa
1986 Ritos Populares.Umbanda no Brasil Documentário
1990 Isto é Noel Rosa Curta / Documentário
1990 Anonimo e Incomum Documentário
1990 A Linguagem de Orson Welles Documentário
1992 Perigo Negro Curta
1992 América: O Grande Acerto de Vespúcio Curta
1997 Tudo é Brasil Documentário
2001 B2 Curta
2003 Informação: H.J Koellreutter Documentário
2003 O Signo do Caos Longa

https://pt.wikipedia.org/wiki/Rog%C3%A9rio_Sganzerla

*2014
http://www.pco.org.br/cultura/os-filmes-que-a-ditadura-censurou/aaez,e.html

Anúncios
Categorias Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

DITIRAMBOS

Poemas, Ensaios, Críticas, Biografias, Tudo Sobre Poesia e Poetas Realmente Importantes. A Poesia em Diálogo com outras Artes. A isso se propõe o Ditirambos. Haroldo de Campos: Não importa de fato chamar o poema de poema: importa consumi-lo, de uma ou outra forma, como coisa.

biobiosaudefeminina

Saúde Feminina & Absorventes Reutilizáveis

Socializando Saberes

Somos o que compartilhamos...

Oceano de Letras

Just another WordPress.com site

Ensaios, Ideias e Reflexões

"Suba ao monte e contempla a terra prometida; mas não direi que entrará nela."

Afeto é deixar-se afetar

Por Alexandra Mandalla

Nadia Gal Stabile - Arte digital

Arte Digital de Nadia Gal Stabile

Farofa Filosófica

Ciências Humanas em debate: conteúdo para descascar abacaxis...

eladiofernandez

Luz sobre sombras. Café cultural.

CARMELIANA

Arte e Literatura

Estudantesporemprestimo's Blog

Just another WordPress.com weblog

Instituto Augusto Boal (blog oficial)

Preservar e fomentar o legado de Augusto Boal

Notícias

Sua melhor fonte de informações no Brasil sobre o ator sul coreano Jung Kyung Ho

EL ROBOT PESCADOR

pescando noticias de aquí y de allá...

Sustentabilidade e Democracia

Contribuindo Para um Mundo Mais Justo

Douda Correria

Nascida em 2013, a Douda Correria tem uma linha editorial muito ténue, tão ténue que quase não se vê, uma linha que mais do que se ver pressente-se nos títulos que por paixão vai dando à estampa. No seu labirinto de afectos encontram-se autores de várias línguas, sendo o que de mais belo há neles a capacidade de inventar sua própria linguagem sem menosprezar a dos outros. É possível que nada disto faça sentido, é até desejável que nada disto faça sentido. Um cavalo alucinado também não faz sentido, no entanto galga e prossegue sob a espora. (Contacto: doudacorreria107@gmail.com - Facebook: https://www.facebook.com/doudascorrerias/)

Saindo das prateleiras

Exterminando as traças e os troços

Leonardo Boff

O site recolhe os artigos que escrevo semanalmente e de alguns outros que considero notáveis.Os temas são ética,ecologia,política e espiritualidade.

radioproletario

Comuna Libertária - Palavra Libertária

professores contra o escola sem partido

Educadoras, educadores e estudantes contra a censura na educação

JORNALIVRE

O jornalismo em prol da liberdade

RE-EVOLUCIÓN

Combatiendo al fascismo internacional

Hits Perdidos

Em busca do próximo grande hit

Alice Duarte Soluções Sistêmicas

Atendimentos em grupo e individual (presencial e on-line) e workshops teórico-vivenciais. Facilitação de processos de autoconhecimento, solução de conflitos, tomada de decisão, diagnóstico e cura emocional através da Constelação Sistêmica Familiar e Organizacional (Hellinger Sciencia).

Lida Diária

conjuntura política e contextos de luta - por Marcelo Castañeda

MONKEYJHAYAM

DIARIO DE BORDO!!!

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close