O MAQUIAVÉLICO FERNANDO HADDAD E SUAS IMPOSIÇÕES DITATORIAIS

*VIA jORNAL “O TRAMBIQUE”
e BLOG NÁUFRAGO DA UTOPIA:
http://naufrago-da-utopia.blogspot.com.br/2015/09/o-maquiavelico-fernando-haddad-e-suas.html

 O MAQUIAVÉLICO FERNANDO HADDAD E SUAS IMPOSIÇÕES DITATORIAIS

MAQUIAVEL MORA EM SÃO PAULO

Por Apollo Natali

Por que motivo reis e governantes sempre têm de ser cruéis e capricham nos maus tratos ao povo? Sim, por quê?


Um italiano do século 16, pouco depois de o Brasil ser descoberto (isto para melhor nos localizarmos no tempo), soprava maldades nos ouvidos dos príncipes de então, donos das cidades-Estado daquela época.
Trata-se do mundialmente influente Nicolau Maquiavel, ainda hoje venerado por boa parcela de dirigentes da humanidade. Numa espécie de hipnose coletiva, o mestre italiano de governos diabólicos convence até hoje líderes de nações de todo o mundo de que a melhor maneira de se governar é manter o povo debaixo de botas.


Hipnotizados em massa pelas maldades maquiavélicas estão submetidos mesmo os governantes de modernos países democráticos. Tal e qual se apresenta Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, metrópole entre as maiores do mundo, e desde antanhos a Wall Street da economia brasileira. Se não, vejamos.


A principal maldade do exercício do poder maquiavélico de Haddad é espalhar o pânico na vida e na economia de 12 milhões de paulistanos e de outros milhões de motoristas que, vindos de outros rincões, se atrevem a cruzar a fronteira da cidade e sacolejar pelos asfaltos esburacados de suas poluídas ruas e avenidas.


O pânico consiste em perpetrar um assalto –leia-se montanhas de multas– àqueles flagrados fotograficamente invadindo suas ciclovias improvisadas, de pisos desperdiçadamente perecíveis, implantadas a toque de caixa em vias mesmo onde não se vê bicicletas em tempo algum. Pânico principalmente em assaltar aqueles invasores de suas discutíveis faixas exclusivas para ônibus em vias super-estreitas que não comportam nem ciclovia nem faixa.


O mais estripador dos pânicos é a imposição ditatorial de Haddad, sem aprovação do povo, em fixar em 50 quilômetros por hora a velocidade máxima em toda a cidade. Quem passa a 51 quilômetros por hora diante das centenas de big brothers palacianos semeados a mãos cheias, leia-se “radares”, tanto os que estão à vista como aqueles camuflados, vai gastar em multa o pão e o leite para as crianças. Haddad faz votos candentes para o sucesso desse seu moto contínuo de produzir dinheiro

Haddad: começou mal e conseguiu piorar.


Quando o limite era 60 por hora, fui multado a 61 quilômetros por hora. Tenho comprovante. As donas de casa desta cidade jamais vão esquecer esse nome, Fernando Haddad, que com seus 50 quilômetros por hora esgana a economia da metrópole, estrangula a movimentação das suas  riquezas e algema seus cidadãos.


Nova Iorque é uma ilha, que andem a 20 por hora. São Paulo é um continente aberto, que se solte. A 60 quilômetros por hora era o paraíso. Prudência, caldo de galinha e conscientização permanente de motoristas e pedestres, eis a fórmula mágica que evita acidentes. Nada de procedimentos maquiavélicos para encher o bolso.


Em meio a esse mundo de espetáculo, ridículo espetáculo, a dor sem remédio dos paulistanos é saber que configuram uma estupenda fonte de arrecadação as miríades multas de trânsito que pairam no horizonte, mediante a atual parafernália de colheita de dinheiro, com cara de extorsão, ao modo de Haddad.


Cada miríade são 10 mil multas, vejam no dicionário. Que se dane o cidadão e sua opinião democrática quanto a aprovação ou não das ações populistas e demagógicas que Haddad toma desde quando assumiu o poder, no início de 2013! Que se arrebentem a dignidade e as liberdades democráticas do respeitável e laborioso povo paulistano!


Sou paulistano do Bixiga. Tenho 80 anos. Meus pés cavaram valetas nas ruas de tanto transitar pela cidade, desde criança. Tenho o direito de chorar ao ver nosso povo tão maltratado a cada governo.


Mais maldade: merece virar outdoors espalhados em todas as ruas de São Paulo, de agora até as próximas eleições, o maquiavelismo e desumanidade de Haddad ao suspender a distribuição de leite para 200 mil crianças sem creche e usar esse dinheiro em rios de tinta nas suas inúteis ciclovias.


Tomara seja essa a pá de cal na sepultura política que o prefeito cava para ele mesmo, porque as mães dos pixotinhos e pixotinhas que perderam o leite, seus papais, tios, tias, vovós, vovôs, primos, amigos, vizinhos, eu, certamente, vamos execrar esse nome diante das urnas. Imperdoável o pecado social  de Haddad, essa sua indiferença pela saúde dos 200 mil filhotes paulistanos sem creche. Em troca de popularidade política.


Cortem para mim. Pensem agora no seguinte, no maquiavelismo de Haddad em conluio com o governador Geraldo Alckmin.


Já disse isso em outro texto e repito. Embora sejam as indústrias junto com a pecuária e a agricultura as responsáveis por 94% do consumo de água, e isso no mundo inteiro, Alckmin, conhecido por sua ideologia igualmente maquiavélica, voltou-se contra os fracos, isto é, ameaçou com multas pesadas os lares que usam água minimamente para lavar roupa, louça, tomar banho.


Já no quarto mandato sem nunca ter se preocupado com o antigo prenúncio da crise hídrica em São Paulo, Alckmin fez o mais maquiavélico disponível, isto é, criminalizou o consumo de água domiciliar como se fosse maconha.


Alckmin e Haddad tramaram desde o inicio do agravamento da crise decidindo por multas e ameaças contra quem se excedesse no consumo. A parte maquiavélica de Haddad no acordo é cumprida com a autoria do projeto 529/2014, aprovado então em primeira votação pela câmara. O projeto prevê multa de mil reais para quem usar água  para lavar calçada ou carro.


Não se turbem os vossos corações, cidadãos paulistanos, nem os que cruzam a fronteira diariamente cidade a dentro, porque democracia moderna é assim mesmo, é democracia ditatorial, em que os representantes do povo no governo substituem hoje os antigos reis e príncipes absolutistas, fazendo o que bem entendem com o dinheiro, a dignidade, a liberdade, a inteligência, a crença, a saúde, o estômago, o bolso do povo.


Não mais conduzindo, e sim sendo conduzidos, os paulistanos vêm sofrendo amargamente nos últimos tempos sob o governo de prefeitos maquiavélicos. Conscientizem-se todos eles, hoje e sempre, de que nenhum merece a confiança de receber poder ilimitado sobre qualquer cidadão. A turbulenta e trabalhadora São Paulo,  submissa há muito tempo, está a merecer um prefeito que não tenha a cara de carrasco do povo.

Comentário do blogueiro: o Apollo, velho guerreiro, é um dos melhores amigos que conheci no jornalismo. E tem carradas de razão ao detonar Fernando Haddad, o poste que Lula conseguiu impingir aos paulistanos. 

Trata-se de um ex-trotskista que se projetou na torre de marfim acadêmica, foi um trapalhão quando ministro da Educação e agora, como burgomestre, descamba para a mais delirante e exacerbada demagogia politicamente correta. Poderia, sim, reduzir o limite de velocidade e implantar ciclovias, desde que tecnicamente embasado. Mas, são ações voluntaristas e altamente inoportunas, que o deixam bem com sua patota chique e mal com a grande maioria dos cidadãos. Tornam um inferno o trânsito de São Paulo, com automóveis, caminhões e ônibus se arrastando pelas vias congestionadas e seus estressados motoristas vendo ao lado, livres, as faixas que os ciclistas não usam nos dias úteis e ninguém mais pode utilizar. (Celso Lungaretti)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s