Educação contra o Fascismo

Educação contra o Fascismo

Carlos A. Lungarzo
A palavra “fascismo” foi tantas vezes usada pela esquerda, que às vezes é difícil reconhecer quando encontramos verdadeiros fascistas.
Quero lembrar que Paulo Samuelson (um dos últimos economistas científicos, substituídos depois pelos contabilistas do Chicago think-tank), no começo de 1980, cunhou o termo “fascismo de mercado”, para se referir a regimes autoritários, corporativistas, policiais, militaristas, que, em vez de possui algum líder carismático (Führer, Duce, “Caudillo” ou Ustacha), governam através de um staff de burocratas ao serviço de mercado.
É curioso que, embora durante a ditadura cívico-militar apenas alguns ditadores possam ser qualificados de fascistas (os únicos dos quais tenho conhecimento são Medici e Costa e Silva), no Estado de São Paulo o fascismo é uma norma desde tempos imemoriais.
Considerado internacionalmente (junto com Buenos Aires), o maior reduto do Opus Dei no mundo subdesenvolvido, região onde foi atuante o integralismo, com uma longa tradição de racismo, regionalismo, com um judiciário célebre por suas atrocidades, e uma das policias mais semelhantes a Gestapo, o governo de São Paulo está passando dos métodos “sutis” aos mais diretos, para completar sua meta mais preciosa: destruir a educação.
Uma análise superficial poderia fazer pensar que o único motivo é poupar alguns míseros milhões para que as famílias dos dignitários possam fazer mais compras em Miami, mas não é só isso. Tomara fosse!
Apesar da escassa inteligência dos comandantes do estado, é óbvio que há alguns consultores que pensam, ou, pelo menos, sabem copiar. A educação é o único método para emancipar o ser humano, e é a única revolução que pode dar certo, e tem dado nos países  onde o esforço por educar o povo foi forte, como no Norte da Europa.
Então, desmontar a capacidade do povo de pensar e obter informação é o objetivo mais importante. Mas, os governantes são seres biológicos, e também têm seus gostos e paixões, e não há que desprezá-los.
O terceiro motivo para destruir o pouco que fica do sistema público de ensino paulista é o ódio. Nesta truculenta gangue, já houve prefeitos que fecharam as calçadas para que não fossem usadas pelos pobres. Houve sempre e há, políticos de diverso rango comprometidos na carnificina de moradores de rua, detentos indefesos, manifestantes, adolescentes pacíficos como estes que ocupam às ruas.
A ocupação das escolas do Estado de SP é um dos maiores fenômenos de desafio à ordem fascista no Brasil. É um movimento claro, protagonizado por populares, espontâneo, da auto-defesa, e, sobretudo corajoso. São jovens totalmente pacíficos, se confrontando com assassinos profissionais armados até a medula.

Da educação depende que, dentro de alguns séculos, se o planeta ainda tiver habitantes, estes estejam regidos pelo terrorismo do Opus Dei, ou por pessoas que pensem.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s