UMA BREVE ANÁLISE DO PEDIDO DE IMPEACHMENT

Uma Breve Análise do Pedido de Impeachment

Carlos A. Lungarzo

O seguinte é um exame breve das principais denúncias contidas no pedido de impeachment, (doravante chamado Pedido) elaborado por Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal, e dos critérios gerias usados pelos autores. O pedido original, em sua versão PDF, possui 64 páginas, e pode ser encontrado no seguinte URL:

O Argumento Filosófico

As epígrafes de textos ou livros são, muitas vezes, apenas metáforas que aludem de maneira indireta ao assunto tratado, mas aqui é diferente. No Pedido, a primeira epígrafe é bem explícita: uma espécie de declaração de princípios dos autores. Eles invocam o teólogo italiano Tomás de Aquino (1225-1974), citando sua tese da expulsão dos tiranos.

Naquela época, “tirano” já tinha o significado atual: era o governante (segundo disse o mesmo Tomás) cruel, corrupto, violento, que se afastava dos planos de Deus. Vejamos:

A primeira citação da epígrafe pertence ao Livro 1º, Capítulo 7, §§ 48 e 49, da obra De Regimine Principium, também conhecido por De Regno (Sobre a Monarquia), dedicado ao rei de Chipre, e publicado pela primeira vez em 1267. A que eu estou usando é a edição canadense de 1949:

Na primeira parte citada fala-se que um tirano não deve ser destituído pela vontade individual, mas pela autoridade pública. (Monarquia, §48). Quanto ao § seguinte, acho que a versão portuguesa está levemente “retocada”, e preferi traduzir do original. Via das dúvidas, compare com o Pedido.

“Se pertence ao direito de certa multidão dar-se um rei, não é injusto que seja destituído ou tiver seu poder restrito pela mesma multidão, no caso em que, tornando-se um tirano, abuse de seu poder real.” (Grifo meu)

Monarquia, livro 1, cap. 7, §49

Observe que, na frase mencionada pelos peticionários, não aparece a expressão que eu grafei neste texto [ou tiver… multidão].

Teria sido bom, também, que os requerentes houvessem acrescentado algumas linhas do § 51, onde o Doutor Angélico diz que outra solução contra os tiranos é recorrer a Deus, pois Ele… “possui o poder de tornar brando o cruel coração do tirano.” Há outras passagens (por exemplo, § 44) onde Tomás aconselha aguentar as tiranias ao máximo, e explica os problemas que a oposição ao tirano pode acarretar.

No Cap. 10 diz, que muitas vezes, as tiranias são produto dos pecados do povo, e que Deus as elimina só quando o povo vira virtuoso.

No entanto, também existem parágrafos onde Tomás aceita, num caso insuportável, que o tirano seja morto, por exemplo, no §45 da mesma obra, e também na Questão xiii (a.2) da Summa Theologica (II-II).  

A versão original está na nota de fim[i]:

E [no caso de que] fosse intolerável o excesso de tirania, para alguns foi evidente que seria pertinente à virtude dos homens fortes matar o tirano[tyrannum interimere], mesmo que [se] expusessem a perigo de morte por [causa da] a libertação da multidão.

Como os impeachers que escreveram este pedido acham insuportável a atual “tirania” brasileira, uma consequência que parece natural, seria o assassinato (no último caso). Seria bom que eles destacaram que a omissão foi voluntária, e que nunca pensaram na decapitação da presidente.

Análises de Acasos

Na parte I, Os Fatos, os peticionários elencam os conhecidos fatos acontecidos desde a compra da refinaria de Pasadena. Quase todos os dados estão tirados da mídia, ou de informações oficiais dos próprios órgãos do Estado, ou seja, não diz nada novo.

Curiosamente, os peticionários usam documentos públicos, de circulação aberta, para dizer que eles não deixam dúvidas das manobras do governo. Se eu interpretei bem, sugerem que os documentos públicos são algo assim como confissões escritas e oficiais dos crimes!

As primeiras páginas contêm análises de coincidências ou de fatos “suspeitos”, colhidos em circunstâncias públicas, unidos entre si por laços aleatórios.

1 Página 4 (o §3º começando de abaixo)

Vale destacar que Paulo Roberto Costa era pessoa muito próxima à Presidente da República, ao lado de quem posou para várias fotografias em eventos públicos, tendo sido convidado para o casamento da filha da Presidente, em cerimônia bastante reservada” (grifo meu).

Atenção: Se você pensou em convidar alguém para o casamento de sua filha, não bata fotos: se você não qualifica para um mísero impeachment, pode ir preso.

2 No § seguinte:

 Em outubro de 2014, ao prestar seu segundo depoimento em colaboração, Alberto Youssef asseverou que, dentre outras autoridades, a Presidente da República tinha ciência do que acontecia na Petrobrás. Em 25 de agosto do ano corrente, Youssef reafirmou que Lula e Dilma sabiam do esquema de propinas, na Petrobrás”.

Tomo a liberdade adicionar este link onde se encontra a notícia da UOL sobre o depoimento de 25 de agosto. Além do texto, há um vídeo bastante expressivo.

Observe-se a pressão exercida pelo deputado André Moura sobre Youssef, quem parecia amedrontado, e respondeu com afirmações muito reticentes. Paulo Roberto Costa manteve sua habitual serenidade frente à mídia e fez um esclarecimento ao que foi falado por Youssef, que enfraqueceu a insinuação deste. Vale a pena observar a expressão de frustração de Moura, e sua insistência no assunto.

Já no dia 23 de outubro, poucos antes das eleições, a revista Veja “antecipou” uma “confissão” onde Youssef, interrogado sobre o conhecimento do Planalto do esquema de Petrobrás, disse que “Lula e Dilma… sabiam”.  Foi também uma declaração pouco convincente e sem detalhes, que pareceu forçada. Sendo rico e conhecido, certamente Youssef não foi torturado, mas não sabemos que outras pressões puderam existir.

Nos dias seguintes não se falou muito nisso. O “vazamento” seletivo dos chefes do Lava-Jato não conseguiu evitar a vitória de Dilma, embora pode ter feito menor a diferença entre os candidatos. Então, a oposição preferiu concentrar-se em barrar a diplomação.

3 Comentário na página 8 do pedido.

“O vídeo feito com o primeiro signatário [… eles se referem ao chefe de um dos movimentos golpistas] evidencia que, de há muito, estamos vivendo em uma falsa Democracia, sendo certo que o resgate da verdadeira se faz necessário.” (Grifo meu)

 “Resgate” significa salvar algo que existia, mas estava em perigo, ou desativado, esquecido, etc. O resgate da democracia significa que antes de agora houve alguma democracia que merece ser resgatada. Vejamos:

Até 1888, o Brasil possuía um regime escravagista. Espero que não seja esta a democracia que sugerem resgatar os egrégios juristas.

Em 1881, a Lei Saraiva proibiu o voto aos analfabetos, que só foi devolvido com a EC 25, de 15 de maio de 1985. Será então, que as democracias nesses 104 anos, que excluíam uma parte enorme da população, devem ser “resgatadas”?

Então, as verdadeiras democracias seriam

(1)       A de Sarney. Foi quando houve a hiperinflação. Além disso, Sarney deu asilo a Stroessner, fato que Bicudo criticou num longo e correto argumento na seção Tendências/Debates, da Folha. Isto faria duvidar que ele o considere agora grande democrata.

(2)      A democracia de Collor, uma figura muito polêmica e alvo de um impeachment;

(3)      A de FHC, durante cujo período acirrou-se a repressão a greves, a perseguição aos movimentos sociais, e aconteceu a chacina de El Dorado, em 1996, quando o governador do Pará era membro do partido governante no país. Aliás, FHC deixou transparecer que não era religioso, o que deve ser uma blasfêmia para o trio de impeachers.

Suponho que os autores não se referem à democracia de Lula, que eles apresentam neste pedido como uma espécie de enviado do Diabo. E suspeito que seu modelo tampouco seja o do primeiro governo de Dilma.

Então, data v[u]enia, qual é a democracia verdadeira que Vossas Excelências desejam resgatar?

Escrutínio das Consciências

Nas páginas seguintes, os autores tiram dados a partir de uma análise das consciências da presidente e do ex-presidente Lula, e de alguns poucos fatos sem relação direta com o caso em apreço. Trata-se de um procedimento similar ao que aconselhavam os inquisidores. “Para saber que o suspeito é herege, há-se de olhar sua consciência, pois eles nunca deixam provas” dizia o mestre Nicolau Eymerich.

Vejamos um límpido modelo de associação livre das páginas 6 e 7, copiada e colada.

1 ¾ Comentário nas pp. 6 e 7

“Os contornos de crime de responsabilidade ficam mais salientes, quando se verifica que Lula é muito mais do que um ex-Presidente, mas alguém que, segundo a própria denunciada, lhe é indissociável e NUNCA SAIU DO PODER. (A caixa alta está no original do pedido)”

Isto lembra muito o interrogatório do pintor espanhol Francisco Goya y Lucientes pela Inquisição Espanhola. O inquisidor mostra a Goya um de seus Caprichos onde o pintor tinha desenhado uma mulher em pânico:

¾Quem atormenta esta mulher? ¾pergunta o inquisidor.

¾O destino ¾responde Goya.

¾O que você quer dizer? O destino é a divina providência?

¾Não, não! São os demônios!

Mas, pelo menos, Goya foi perdoado pela inquisição, embora o inquisidor poderia ter lido (como os impeachers fazem) a primeira resposta (“o destino”) como um ato falho. Ora, estes novos inquisidores, quase 200 anos depois, não perdoam ninguém. Eles querem cabeças rolando.

2 Outro comentário da mesma parte (grifado meu)

“Ora, se a Presidente era (e é) indissociável de Lula, muito provavelmente, sabia que ele estava viajando o mundo por conta da Construtora Odebrecht, que coincidentemente sagrou-se vencedora para realizar muitas obras públicas, no Brasil e no exterior! Aliás, não se podem desconsiderar as fortes acusações feitas pelos empresários gaúchos, Auro e Caio Gorentzvaig, no sentido de que Dilma teria sido imposta a Lula por referido grupo empresarial.”

Nesta citação, ultrapassa-se a análise de consciência para entrar no Direito de Fofoca. As Excelências usam como argumento jurídico uma fofoca dita em conversa privada. Aliás, pouco importa se é verdade ou não. Se nós tivéssemos a mesma mente que eles, poderíamos pensar que esses dois empresários estavam com ciúmes da família Odebrecht! “Por que nossa corrupção é menor que a deles??”

3 ¾ Página 9

Recentemente, houve o vazamento de um relatório do COAF, dando conta de que o ex-Presidente Lula teria recebido quase TRINTA MILHÕES DE REAIS, boa parte de empresas que contratam com o Governo Federal, por supostas palestras.”

Reforça o entendimento de que a Presidente da República agiu com dolo o fato de ela sempre se mostrar muito consciente de todas as questões afetas ao setor de energia, bem como aquelas relacionadas à área econômica e financeira. Ademais, além de ser economista por formação, a dirigente máxima do país ocupou cargos umbilicalmente relacionados ao setor de energia, não sendo possível negar sua personalidade centralizadora”. (grifo meu, mas maiúsculas dos autores)

Este trecho é uma joia. Ser especialista em energia pode conduzir ao dolo. Isto parece muito com o pecado original, que foi consequência do desejo do humano de saber muitas coisas. Que isto sirva de advertência para essas pessoas que se recusam ao fechamento de escolas. Deixai vossos filhos estudarem e virarão ateus e criminosos!

As citações até aqui visam mostrar o jaez das análises dos três impeachers. Agora, porém, vou focar em alguns trechos mais concretos, embora falaciosos.

Controle de Subordinados

Na página 11 (ad calcem), os autores transcrevem o artigo 9º da Lei 1079, de 10/04/1950, que, no item 3, tipifica como crime de responsabilidade…

não tornar efetiva a responsabilidade dos seus subordinados, quando manifesta em delitos funcionais ou na prática de atos contrários à Constituição;

A Petrobrás é uma entidade da administração indireta e, se entendi bem, é uma sociedade de economia mista de direito privado. Pode argumentar-se, então, que seus diretores são subordinados à/ao presidente de mesma maneira que o seria um ministro, um secretário de estado, etc.etc.?

Além de que isto não é evidente, cabe a pergunta: É fisicamente possível para o/a chefe de estado manter um controle de todas suas empresas, autarquias, universidades, seja o que for…?  

Sendo que no Brasil se pratica sistematicamente o direito do inimigo, esta metodologia de punição coletiva e “contagiosa” nunca se volta contra os que a implementam. Mas, imaginemos o que aconteceria se a teoria de que “os superiores também são culpados” fosse assumida igualmente para todos.

Por exemplo, na Itália, um país bem menor que o Brasil, o procurador Pietro Forno queixou-se de que, após anos de trabalho, não conseguiu indiciar nenhum padre por causa dos epidêmicos crimes de pedofilia (que existem em todo o mundo, mas estavam sendo investigados por Forno em Milão). Cada vez que pedia uma investigação sobre alguns deles, o Vaticano lhe “aconselhava” ficar quieto.

Suponhamos que nossos impeachers estivessem ao comando dessas investigações. Se suas teorias fossem sinceras, deveriam dizer que o Papa “não podia ignorar isso” e, portanto, deveriam acusa-lo. Será que o fariam?

Talvez por isso, os autores preferiram se concentrar em dois argumentos, que, embora falaciosos, têm o aspecto externo de ter algo a ver com o jurídico: o das “pedaladas” fiscais e o dos decretos sem números.

Crimes de Responsabilidade

Nos países de fala espanhola, as “pedaladas” fiscais são tão comuns, que já em 1982 foi inventado um vulgarismo semelhante: “las bicicleteadas fiscales”. A referência a estas pedaladas e aos decretos não numerados são os únicos argumentos dos impeachers que têm aspecto jurídico,.

Num excelente artigo publicado no Consultor Jurídico, o tributarista Roberto Lodi Ribeiro dá uma definição clara de “pedaladas” fiscais. Veja este URL:

Ele define as “pedaladas” assim:

Atrasos sistemáticos na transferência do Tesouro para o BB, Caixa, e outras instituições federais. Estas pagam na data certa os valores dos programas sociais, mas o Tesouro transfere o valor com atraso para dar um ar de estabilidade.

Lodi reconhece que não é boa prática (aliás, todos achamos feio atrasar o pago de dívidas legítimas), mas nada tem a ver com crime de responsabilidade. O jurista afirma que a interpretação força a barra numa tentativa golpista.

Observe que, a despeito das pesadas divagações dos impeachers, os argumentos que eles pretendem enfiar goela abaixo são simples. Trocando em miúdos, é assim:

1.     O BB e outros pagam a Bolsa família e outros programas no dia certo aos beneficiários.

2.    O Tesouro fica devendo.

3.    Algum tempo depois, ele paga, devendo acrescentar juros.

4.   Durante esse tempo que o Tesouro não pagou, na interpretação dos autores, o Estado estaria usando um empréstimo das instituições financeiras que estão sob seu controle, pois, nesse período, BB e outros estariam sendo credores da União.

Ou seja, o BB estaria dando um crédito ao governo, o que está proibido pelo artigo 39 da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Vejamos a lavra da própria pena dos ilustres impeachers:

“Os empréstimos foram concedidos em afronta ao art. 36 da Lei de Responsabilidade Fiscal, que proíbe a tomada de empréstimo pela União de entidade do sistema financeiro por ela controlada.” (Grifos meus)

Um adolescente que faça um cursinho básico de contabilidade de algumas semanas sabe perfeitamente que esta situação em nada se parece a um empréstimo ou coisa que o valha.

Veja no seguinte link o que se entende por operação de crédito, e resolva a charada: “As pedaladas fiscais encaixam nesta definição?”

É óbvio que o governo no contratou um empréstimo, mas apenas atrasou o pagamento de dívidas. Chamar isso de crédito é uma combinação de má fé com falência intelectual. Vejamos:

O que você faz se chega o dia de pagar o crediário da TV de 40 polegadas que usa para ver o jogo, mas não tem dinheiro? Não paga e deixa para o futuro. Isso é chato e você deverá depois pagar juros e multa. Mas, você nãoestá abrindo um novo crediário. Você não recebeu nenhum empréstimo. Você está tendo uma dívida, apenas.

Então, se eu pago uma dívida que foi contraída legalmente, e me atraso no pagamento, isso é o mesmo que fazer um contrato de crédito? Coitadas as turmas que estudaram com estes professores!! Não é esquisito, então, as sentenças teratológicas que povoam o mundo jurídico.

A União não é um ente abstrato e metafísico. É uma enorme instituição que regula muitas coisas, entre elas as finanças. Se não pagou uma dívida porque não tinha dinheiro, então ficará como inadimplente, como são os milhões de particulares que têm dívidas não pagas. Quantos desses milhões sofreram alguma retaliação, salvo pagar juros,  multas, e ter o nome sujo?

Os juristas batem na mesma tecla no caso da alteração das metas, dizendo que elas são formas ilegaisde conceder-se uma espécie de empréstimo por parte do governo.

Se não entendi mal as notícias, em 2014 o Parlamento aceitou a modificação das metas fiscais. É ilegal algo aprovado pelo Parlamento? É o legislativo ilegal?

(Hum, acho que os egrégios juristas estão sendo perigosamente sinceros. Será que querem dizer algo ruim sobre os deputados?)

Ora, que acontece em 2015?

Os especialistas acham que essa alteração das metas também será aceita em 2015. Aliás, o resultado da gestão do ano em curso ano não pode ser julgado até que esteja completo.

Embora não é possível adivinhar o futuro, há certo consenso que o Parlamento aprovará esta mudança de meta de 2015, já que aprovou a anterior, quando a provocação a impeachment estava lançada, e os interesses eram os mesmos que agora. Porém, se o parlamento viesse a rejeitar, então, há que esperar ainda para o impeachment.

Os senhores estão sendo apressados, mas cabe compreender: os jovens somos ansiosos.


[i] Et si sit intolerabilis excessus tyrannidis, quibusdam visum fuit ut ad fortium virorum virtutem pertineat tyrannum interimere, seque pro liberatione multitudinis exponere periculis mortis:

var linkwithin_site_id = 2445455; http://www.linkwithin.com/widget.jsRelated Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s