Paul Singer: “Não defendo o impeachment mas, pela lógica, deveria passar”

Paul Singer: “Não defendo o impeachment mas, pela lógica, deveria passar”
http://www.revistaforum.com.br/semanal/paul-singer-nao-defendo-o-impeachment-mas-pela-logica-deveria-passar/

Em conversa com a Fórum, o economista e sociólogo que ajudou a fundar o PT disse acreditar que, se o Tribunal de Contas da União rejeitou o recurso do governo e reprovou suas contas, a lógica é que o processo de impeachment vá para frente, ainda que não o apoie. Crítico, Singer enxerga uma única saída para a crise do partido: “Convencer a Dilma a parar com o ajuste fiscal”
Por Ivan Longo
O economista, sociólogo e ativista da economia solidária Paul Singer representa hoje uma das últimas figuras que carregam os princípios do partido que ajudou a fundar em 1980. Militante socialista desde os anos 1950, quando era metalúrgico e foi um dos líderes da Greve dos 300 Mil, ele está nitidamente decepcionado com os rumos que o PT tomou depois que virou governo, principalmente a partir do segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff.
Singer é pragmático ao comentar as recentes movimentações em prol do impeachment. “Não defendo, mas, pela lógica, deveria passar. Afinal o Tribunal de Contas da União [TCU] acatou – mesmo que a gente saiba que é em cima de um argumento infundado. Sou contra. Para mim não é plausível nem um pouco, mas para o TCU foi”, disse à reportagem da Fórum em uma rápida conversa, na última quarta-feira (9), nos bastidores do “Emergências”, evento do Ministério da Cultura que acontece no Rio de Janeiro até o próximo domingo (13). Na ocasião, o economista participou do debate “Fissuras no Capital”, que discutia as mazelas do sistema financeiro capitalista e apresentava alternativas em economia solidária e comunitária.
Crítico e fiel às suas raízes de esquerda, Singer teceu duras críticas ao governo Dilma e apontou o chamado “ajuste fiscal” como o principal algoz deste mandato. Para ele, é justamente o pacote de medidas austeras propostas pelo ajuste que criaram a crise econômica que o país vive e, como consequência, a crise política e a perda de credibilidade do partido diante de suas bases sociais.
“A política da Dilma é um baita fracasso. Está pior do que nunca (…) O ajuste fiscal é o suficiente [para que o partido se desgaste ainda mais]. Não vai sobrar nada [da base social da legenda]. O ajuste fiscal é a causa da crise”, afirmou, ressaltando ainda que a única saída plausível para que o PT e o governo recupere suas bases é “convencer a parar com o ajuste e recuperar a economia do Brasil”.
À frente da Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) por doze anos – o economista foi afastado do cargo este ano como uma estratégia de fortalecer laços com o PDT –, Singer, apesar das críticas, é otimista em relação ao futuro da esquerda no Brasil pelo próprio legado que deixou como secretário. “O Brasil mudou desde o governo Lula e hoje uma boa parte da economia já não é mais apenas capitalista”, disse, fazendo referência ao fato de que a economia solidária já representa, atualmente, 3% do PIB nacional.
Em pouco mais de cinco minutos e a caminho do carro que seguiria para Brasília, o sociólogo de 83 anos, que sofre para andar, mas faz questão de falar e participar de todo e qualquer evento sobre política, esquerda ou economia, falou também sobre a relação do governo com o PMDB, a carta do vice-presidente Michel Temer a Dilma e o avanço conservador no Brasil e na América Latina Confira.
Fórum – O que acha do fato de o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ter autorizado a abertura do processo de impeachment? Acha que vai para frente, que há o risco de afastamento da presidenta?
Paul Singer – É muito difícil de prever. Não defendo, mas, pela lógica, deveria passar. Afinal o TCU acatou – mesmo que a gente saiba que é em cima de um argumento infundado.
Fórum – E o que o senhor acha do pedido de impeachment em si?
Singer – Sou contra. Para mim não é nem um pouco correto. Mas para Tribunal de Contas foi plausível…
Fórum – De maneira geral, que avaliação o senhor faz do governo?
Singer – Eu acho que a política da Dilma é um baita fracasso, está pior do que nunca. Mas impeachment não é o caminho.

Fórum – Você citou, em outras ocasiões, que o ajuste fiscal vai fazer o PT perder sua base social. Enxerga outros pontos no governo que acha que podem fazer a imagem do PT se desgastar ainda mais?
Singer – O ajuste fiscal é o suficiente. Não vai sobrar nada [de base social]. E eu diria que, nesse mandato, vai ser muito difícil de melhorar porque ela está de mal a pior e não muda de política. O ajuste fiscal é a causa da crise e ela não consegue nem explicar a ninguém para que que serve.
Fórum – Como fundador do PT, você vê algum caminho para que o partido saia da crise que o assola?
Singer – Sim, vejo. Convencer a Dilma a parar com isso [o ajuste fiscal] e recuperar a economia do Brasil.
Fórum – O que o senhor achou dessa carta de ruptura que o vice-presidente Michel Temer enviou a Dilma?
Singer – O homem está louco para ficar no lugar dela. Isso agora está explícito. Mas foi um tiro no pé dele mesmo.
Fórum – Acredita que esse embate com o PMDB pode polarizar os dois lados e ser benéfico para o PT?
Singer – Polarizar, polariza… Mas, sinceramente, não sei prever. Muito difícil, porque o governo está nas mãos do Tribunal de Contas e do próprio PMDB. Aliás, tem gente no PMDB que parece que é contra o impeachment, outros estão loucos para fazer, porque assim ganham cargos.
Fórum – Considera que no atual ambiente político e social há espaço para o surgimento de um partido de esquerda com a mesma força e que resgate os princípios do PT, que o senhor ajudou a fundar?
Singer – É uma ótima pergunta, mas a resposta é bem difícil. Certamente o ambiente é propício, alguma coisa terá que surgir. Mas acho que ainda leva mais tempo.
Fórum – Quais as suas expectativas para o futuro da esquerda no país?
Singer – As expectativas são boas, porque o Brasil mudou desde o governo Lula e hoje uma boa parte da economia já não é mais apenas capitalista. Também não é uma ditadura stalinista, graças a deus.
Fórum – Ao que credita o avanço conservador em voga no país? Acha que isso pode ser um combustível para uma guinada à esquerda do PT?
Singer – Quanto ao PT, tudo ainda é muito difícil de afirmar. Agora, está, de fato, havendo uma onda conservadora em toda a América Latina. E o Brasil está entrando nessa onda também.
Fórum – E de onde acha que vem essa onda conservadora que se perpetua pelo continente?
Singer – É porque a burguesia ainda está aí, eles sempre estiveram. Só que agora estão focando na oportunidade das crises pelas Américas para tomar o poder. Tivemos uma década de maioria de governos progressistas e essa é a melhor oportunidade para eles.
Fórum – Acha que essa onda conservadora na América Latina pode se firmar e voltarmos a ter um cenário parecido com os governos neoliberais dos anos 1990?
Singer – Depende, se eles fizerem a política que a Dilma está fazendo, está ótimo para nós, porque mesmo com tudo isso não chega a ser como a direita desses países. Se não fizerem, estamos perdidos.
(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

var linkwithin_site_id = 2445455; Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...http://www.linkwithin.com/widget.js

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s